As primeiras horas e impressões de Variable Barricade

O mais novo otome game publicado pela Aksys Games já está disponível para compra! A Pixela jogou horas suficientes pra trazer uma primeira ideia geral deste otoge em que a protagonista é uma “princesinha” tsundere, e os candidatos “sapos” tentam quebrar esse muro de gelo, destruindo junto com ele a bolha de proteção sob a qual ela vive.

Nota 1: Contém pouquíssimos spoilers da rota comum. Eu diria que você pode ler sem medo

Nota 2: Este texto possui opiniões pessoais, portanto, fique atenta, pois cada um tem sua opinião. Ou seja, o que eu achar ruim ou bom você pode não concordar. Lembramos também que as opiniões não refletem necessariamente a visão de todas as integrantes do Otomices

Esta postagem foi possível graças ao recebimento da chave digital do jogo pela própria publicadora.

Thanks to Aksys Games for supporting our job! <3


Abram alas porque é a vez de acompanharmos a história de amor de uma protagonista bem tsundere e protegidinha por todos desde pequena. Tojo Hibari é a herdeira de uma grande, influente e tradicional família japonesa, e graças a isso a garota é uma pessoa de classe, bons modos e imponente.

Acontece que essa imagem projetada ao público é apenas a ponta do iceberg de toda a sua personalidade, mas, diante de tanta pressão invisível, a garota tem dificuldade de mostrar seus outros lados até mesmo quando não está sob os holofotes e olhares de terceiros, tudo isso graças à sua educação e criação. É por isso que a Hibari é uma personagem tão e inevitavelmente tsundere.

Portanto, deixe-me fazer uma pequena correção do começo do primeiro parágrafo: Esta é a história de amor e de autodescoberta de uma protagonista que sempre viveu em volta da sua própria barricada!

Guia e acesso rápido aos tópicos:

A Rota Comum

Logo nos primeiros minutos de jogatina você assiste um dia comum da vida da Hibari: uma herdeira de uma família poderosa e tradicional do Japão interagindo com seu fiel mordomo pessoal e se preparando para ir para a escola feminina de alto padrão, sendo abordada por várias garotas de forma respeitosa.

E falando em garota, a sua melhor amiga, Tsumugi, é a única do colégio que tem uma aproximação maior com Hibari, além de conseguir deixar a nossa tsundere mais à vontade para expressar seus pensamentos e emoções.

Não demora muito para que 4 chamativos rapazes vestidos de terno e segurando rosas apareçam no pátio da escola, pedindo a mão da Hibari em casamento. Obviamente sem entender nada e claramente negando a todos, a jovem é interrompida e levada de volta para casa pelo seu mordomo, que a informa que seu avô quer conversar com a garota.

Como é de se esperar, o avô da Hibari lhe diz que ela precisa logo ficar noiva de algum pretendente, por isso ele fez pessoalmente a seleção de quatro rapazes. Como herdeira da família Tojo, não se deve perder tempo com um assunto tão importante como este.

Pra quem não tá muito por dentro da cultura japonesa, deve estranhar o fato de uma garota de 17 anos ficar noiva e já pensar em casamento. Acontece que, dentro de famílias/clãs tradicionais, o casamento cedo é algo bem comum, porque dessa forma a concepção de herdeiros e a continuação da família ficará garantida. No caso da Hibari, ela é a única herdeira da família, o que triplica a “responsabilidade” que ela possui em, tanto continuar seu legado, como futuramente dirigir o próprio clã Tojo.

Enfim, sob um protesto que acaba ficando entalado em sua garganta, pois as palavras do seu avô pesam em sua cabeça, Hibari vai morar em uma “casa de campo” da família, junto com seus quatro pretendentes. É a forma que seu avô encontrou para a jovem conhecer melhor os rapazes e fazer a escolha final de quem será seu noivo.

Além deles, seu mordomo, Kasuga, a acompanha, e assim, começa de fato a rota comum de Variable Barricade.

Vivendo sob o mesmo teto

Não tem muito mistério nos próximos acontecimentos, a Hibari é apresentada formalmente a cada um e até faz uma entrevista pra saber melhor dos interesses deles em se casar com a garota. Preciso nem dizer que são umas respostas piores que as outras, né, kkk.

No começo, a garota evita muito de interagir com os rapazes, mas depois de alguns momentos juntos, confusões com direito a quase fazer um jardim entrar em chamas, eles vão ganhando um pouco mais de confiança com a protagonista. O lance é que a Hibari é extremamente fechada e preocupada em zelar uma imagem, e isso a faz viver em volta de barricadas imaginárias, distanciando a jovem de experiências reais e até mesmo de desenvolver um certo senso. Ela tende a imaginar o pior muito fácil.

E é essa dificuldade em se abrir e conversar com outras pessoas, em conjunto com as palavras do seu avô, que mantém viva a ideia de conviver com os rapazes. Hibari, mesmo sem perceber, pode tirar um pouco do peso das suas costas e ter mais experiências que uma garota da sua idade deveria viver.

Um passado bem presente

A rota comum ser longa não é por acaso, ela te dá um bom contexto do passado da Hibari e as motivações e acontecimentos que a tornaram ser quem é. Inclusive, é revelado como a Tsumugi conseguiu derrubar essas parede imaginárias e virar a melhor amiga da herdeira dos Tojo.

Outra pessoa importante e bem presente em seu cotidiano, pra não dizer o mais presente, é Kasuga, o seu pessoal e fiel mordomo. As interações e ações do Kasuga em volta da Hibari nesta rota comum já dão um gostinho de que ele não é um mordomo tão passivo e irrelevante assim, e que seu papel na vida da garota é um dos ponto-chave que tornaram a garota ser o que é, bem como ela irá lidar com seus candidatos.

Saindo da zona de conforto

Como eu já pincelei lá em cima, viver sob o mesmo teto que esses quatro candidatos aparentemente sapos é o ponto de partida para pequenas mudanças no cotidiano e modo de enxergar a vida para a Hibari. Ela começa a pensar mais em si mesma, suas motivações, seus gostos, enfim, ela reflete mais. Hibari passa por situações que a tiram de sua zona de conforto, e até mesmo faz amizade com uma nova garota e com um rapaz misterioso.

Os meninos são um elenco perfeito para a Hibari. Cada um tem a sua característica e seu charme, e o legal é que eles não se veem como rivais inimigos, mas sim como rivais amigos. A interação entre eles rendem cenas bem divertidas e malucas. Eu gostei que eles respeitam os limites da Hibari. Na verdade, são muito dos pacientes, viu, kkkk.

As rotas de cada garoto são divididas em 3 grandes boards, cada um com sua quantidade de capítulos e capítulos extras (menores). Eu achei interessante que o primeiro board de todos você joga enquanto faz a rota comum, dando a entender que todos os acontecimentos ocorreram antes da rota comum acabar. São histórias que fazem a Hibari se aproximar um pouco mais de cada candidato. Além de que já te dá uma noção do que esperar nas rotas seguintes, e ter um pouco de ideia de qual garoto você quer tentar primeiro.

Xeque-mate… né?

Ao final da rota comum, Hibari precisa fazer uma decisão. Suas escolhas enquanto jogadora irão dizer em qual rota você irá cair. Não existe obrigação de fazer x personagens para liberar y personagem.

Em geral, o início de Variable Barricade deu uma ótima impressão sobre a Hibari, incluindo seus candidatos e até mesmo alguns dos personagens secundários. Mesmo que você vá se irritar com as atitudes tsunderes da protagonista, diante do que lhe é mostrado, você entende o porquê disso tudo, então ainda dá pra ter empatia com a garota. A partir da convivência maior com um dos candidatos, além de adquirir a experiência do amor, ela vai adquirir, principalmente, a experiência da autodescoberta.

Personagens Principais

Hibari é a protagonista mais tsundere que você pode encontrar em um otome game! O nome “barricada” estar no título do jogo não é à toa! A garota viveu uma infância que justifica sua personalidade constantemente tensa e preocupada.

No início é muito fácil você se irritar ou virar os olhos com a Hibari, mas graças ao ótimo trabalho da narrativa na rota comum para explicar o jeito de ser da jovem, você consegue se conectar com ela e criar uma empatia.

É fácil torcer pela Hibari e soltar um “JUST DO IT!” em vários momentos, pois ela não é acostumada em estar em situações que pra uma pessoa ordinária são consideradas normais e cotidianas, como… andar de metrô. O conflito de sentimentos e pensamentos resultados da mistura de vários ingredientes como adolescência, imagem a zelar, situações novas e inexperiências, transformam a Hibari numa bomba relógio.

Mas a garota tem potencial de assumir seu posto como herdeira da família e ser uma mulher bem resolvida. Ela só precisa de um empurrãozinho e situações que a forcem a desenvolver esse seu lado forte. A Hibari, além de viver um romance, precisa se descobrir e se conhecer!

Se o jogo vai explorar isso ou não, eu ainda não sei. Ele dá a entender que sim, então eu vou ficar extremamente decepcionada se nenhuma rota mostrar a Hibari sendo dona de si mesma e tomando suas próprias decisões, com a confiança lá em cima. Nem que seja somente uma, mas essa rota precisa existir!

Shion é um rapaz elegante, bonito e voltado para as artes. Ele nunca faz esforço físico, e prefere ficar folheando revistas de moda enquanto repassa para o Nayuta alguma tarefa doméstica que deveria fazer.

Ele é o único candidato que não me interessei. Sim, seu jeito mais delicado e afeminado, meio bishounen não me agrada, mas é questão de gosto. Shion é calmo e até agora não vi ele sair dessa persona elegante, o que me irrita, cof. Quero dizer, ele é tão polido que chega a dar nos nervos. Mas enfim, surpreendemente, a história do Board 1 dele até que foi legal.

Ele foi o primeiro personagem que escolhi pra jogar, já tô na metade do terceiro Board e, bem… a imagem que tinha dele não melhorou, pelo contrário. Mas isso é assunto pra uma review.

Nayuta é o mais jovem dos quatro candidatos, e praticamente a forma humana de um cachorrinho. Ele sempre está disposto a fazer o que os outros lhe pedem, principalmente a Hibari. Mas a garota se preocupa mais com o fato dele não se importar em ser um… “cachorrinho”. O jovem também é muito energético, curte esportes e come demais.

O jeito alegre e hiperativo do Nayuta, apesar de poder irritar alguns, eu particularmente achei fofo. Muitas cenas que ele protagoniza são pura comédia, ele chega a ser facilmente manipulado e enganado. O Nayuta é o tipo de perfil amigável que eu chamo de “shiny boy”.

Eu gostei da história do Board 1, ele fez a Hibari expor um lado fofo e preocupado com o garoto. Se você curte personagens sorridentes, amigáveis e protetores com a protagonista, Nayuta provavelmente será seu favorito.

Ichiya é um galanteador que vive soltando cantadas de tiozão, o que deixa seu personagem de uma certa forma cômico, pois suas atitudes entram em contraste com a imagem do namorado ideal que ele exala. Confessar que fiquei um pouco decepcionada, pois achei que ele seria um galanteador e não vergonha alheia. Sério, eu consigo ver o Ichiya contratando aqueles carros de som pra fazer uma serenata para a Hibari ao som de Roberto Carlos.

MAS, graças a um certo evento, desconfio que esse não seja o seu verdadeiro eu. Por ser o mais velho dos candidatos, Ichiya tem de tudo para ser também o mais maduro e experiente. É esperar pra ver.

A história do Board 1 dele ao menos mostrou que o Ichiya tem um potencial de não precisar se preocupar tanto em ser o namorado perfeito, assim como a própria Hibari deve e consegue demonstrar suas verdadeiras vontades para quem quer que seja.

Eu deixei o Taiga por último porque como diz o ditado, a gente deixa o melhor por último, kkk! O rapaz com cara de badboy engana todo mundo, pois ele não é tão infantil e bad como aparenta ser. Na real, pelo menos na rota comum, eu achei ele o mais maduro de todos os rapazes. Várias vezes o Taiga interfere em uma situação de clima tenso, pra tentar apaziguar as coisas, assim como ele parece ser o único que tem bom senso entre os candidatos. A amizade que ele tem com o Nayuta é muito gostosinha de ser ver! <3

É por essa personalidade que ele não tem receio de falar as verdades na cara da Hibari e nem de se sentir na necessidade de tratá-la como uma princesinha, algo que os outros constantemente fazem com a Hibari. É isso o que eu mais gosto no Taiga. Ele trata a Hibari como igual. Inclusive, ele sempre tira sarro dela, principalmente pela garota ter seios pequenos. Mas no fundo, o Taiga tem sim um crush pela Hibari.

Taiga sendo direto ao ponto, kkkkkkkk. “Eu sabia. Um dos seus malditos sugar daddies.”

Eu senti uma vibe “do ódio ao amor” com eles no Board 1. E o final dele FOI UMA EXPLOSÃO DE FOFURA, MEU DEUSSSS!1!1!!11! rendeu uma cena que aqueceu meu coração, ou melhor, o derreteu! Eu espero que a rota do Taiga explore mais essa relação do ódio ao amor e também as lições que a Hibari pode aprender a partir das diferenças ao se envolver com uma pessoa que é tão fora do seu estilo de vida de família tradicional.

Interface e Sistema

Como eu mostrei no post Conheça de Variable Barricade, a história se dá através de boards, que lembram um tabuleiro de xadrez. No início você fica bem perdido, mas depois se acostuma. Existem os capítulos “oficiais”, que são mais longos, e os capítulos “extras”, mais curtos e que servem de complemento aos capítulos principais aos quais eles são atrelados.

Ao longo da rota comum você desbloqueia o Board 1 de 3 de cada garoto. Você vai ser obrigada a jogar todos esses primeiros boards para finalizar a rota comum. E além disso, existe um sistema de troca de mensagens com os personagens do jogo, e uma espécie de BBB, em que a Hibari literalmente espia~ o que os garotos fazem quando ela não está em casa. Essas cenas não interferem nas rotas, elas são apenas extras. Algumas são relativamente longas, mas em sua maioria, divertidas.

O menu de início, assim como de extra, entram no clima de xadrez que a temática do otoge possui. É tudo bem encaixado e imersivo.

Arte e Música

Meu Jesus amado, a arte desse jogo é LINDA! O traço num estilo bem shoujo, de olhos e expressões hipnotizantes e uma pintura que dá destaque ao contraste, com o uso de um preto puro no lugar das sombras, é de tirar o fôlego. Até agora, todas as CGs que eu liberei são bonitas e com boa composição.

O número de CGs que você pode adquirir fora da rota dos garotos é maior que o padrão dos otomes, mas isso porque muitas cenas são desenhadas em formato chibi, o que achei uma ótima saída para ilustrar momentos relevantes e divertidos, mas que não são tão importantes como uma CG em formato não chibi. Em suma, toda a parte artística de Variable Barricade é impecável!

Essa cena, junto com a gargalhada espalhafatosa do Taiga, foi muito hilária kkkkkk

Em relação à trilha sonora, eu gosto dela mas já escutei melhores em outros otoges. Ainda assim, são músicas que encaixam bem com o contexto da visual novel, com batidas pop e por vezes, meio eletrônicas e modernas. A trilha do Nayuta, por exemplo, me lembrou muito as músicas de jogos da época dos portáteis da Nintendo, como o GBA e Nintendo DS, lol. Escuta aí embaixo!

Impressões Gerais

Variable Barricade, apesar de ter uma premissa batida e bem clichê, conseguiu produzir um material único e interessante de se consumir, mesmo não sendo inovador. Eu não tava muito empolgada com esse otoge porque histórias cotidianas com elementos modernos não são minha preferência quando o assunto é visual novel. Mas, ao final da rota comum, Variable Barricade conseguiu chamar minha atenção e criar um interesse.

Os quatro rapazes são bem diferentes e representam estereótipos clichezãos de otome games – o galanteador, o amigável, o delicado e o badboy -, mas com características peculiares que os ajudam a sair desses rótulos genéricos. Por serem muito diferentes, o mais provável é que você tenha O seu favorito, ao invés de gostar todos por igual.

A narrativa não tem muito mistério, ela foca no cotidiano da Hibari e em como ela vai crescer como pessoa e abrir seu coração selado a sete chaves para um dos rapazes. Eu creio que fãs de shoujos e doramas adolescentes vão amar Variable Barricade!

Eu só espero que de fato haja um desenvolvimento da protagonista, pois ficou bem claro na rota comum que ela precisa derrubar as barreiras emocionais e psicológicas que ela mesma construiu pra si, bem como enfrentar aqueles que de certa forma lhe mantém nesse loop vicioso de barricadas invisíveis.

Aguardem o nosso post review para uma análise completa e detalhada de Variable Barricade, que será feito pela Nico! VEM AÍ!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s