Primeiras impressões da demo de Touken Ranbu Musou Warriors e informações sobre as DLCs!

O grande dia do lançamento do Musou está chegando e a Koei não perdeu tempo: Em seu Twitter oficial, a empresa anunciou que a demo de Touken Ranbu Musou (Warriors) já está liberada na eShop japonesa. E claro, nós do Otomices também não perdemos tempo, indo logo baixar para jogar e trazer informações fresquinhas para vocês! Além disso, novas informações sobre as aguardadas DLCs foram reveladas!

Como já havíamos dito, Touken Ranbu Warriors, versão Musou do famoso joseimuke Touken Ranbu, será lançado ainda este ano para Nintendo Switch (Por enquanto, apenas no Japão haverá uma versão para PC). Antes de falar sobre a demo, vamos falar sobre as DLCs japonesas.

Ainda não dá para saber se elas serão as mesmas na versão localizada (em inglês) do jogo. O set de DLCs completo custará 6424 ienes (em torno de R$ 294, sem taxas). Elas terão um tempo limite para você comprá-las. Possa ser que haja uma alteração neste tempo limite, então é bom acompanhar as informações. Porém, se não quiser comprar todas as DLCs, o jogador terá a opção de comprar sets separadamente. As DLCs são:

  • Set de 16 Roupas Casuais, por 4488 ienes (~R$ 206, sem taxas), disponível para compra até o fim de abril de 2022: Para quem já joga o jogo original ou assistiu os animes de Touken Ranbu, essas são as roupas que eles mais utilizam no anime de Hanamaru. São as roupas usadas quando eles fazem trabalhos da rotina enquanto cuidam da cidadela (cuidar dos cavalos, plantar), que também são conhecidos como “Internal Affairs” na tradução oficial do jogo de Touken Ranbu.
Algumas das roupas casuais
  • Set de 5 Designs diferentes da Citadela, por 1403 ienes (~R$ 65, sem taxas), disponível para compra até 17 de fevereiro de 2022: São como os “backdrops” do jogo original. Se não quiser comprar o set, pode comprar individualmente também. Cada um custa 330 ienes (~R$ 15, sem taxas).
  • Set de 5 músicas extras, por 935 ienes (~R$ 43, sem taxas), disponível para compra até 17 de fevereiro de 2022: Nome autoexplicativo. Se quiser comprar uma música individual, cada uma custa 220 ienes (~R$ 10, sem taxas).

Agora sim, vamos para as impressões da demo, junto com as novas informações da última stream oficial realizada de Touken Ranbu Warriors!

Antes de tudo, dois recados:

  • Recado 1: Já aviso que eu talvez acabe soando meio empolgada nesse post, porque um Musou de Touken Ranbu era o meu sonho! Para ajudar, ainda fizeram uma colaboração entre a equipe da Ruby Party e da Omega Force?! Difícil eu segurar o hype aqui, afinal eu amo Samurai Warriors! E graças ao Touken Musou, agora tenho mais razão ainda para fazer fanarts crossover dos Touken Danshi com os personagens de Samurai Warriors ehehehhehe

  • Recado 2: A Koei pede para que nós, jogadores, não espalhemos os prints do jogo, com o intuito de não soltar spoilers. Portanto, se você está preocupada, fique tranquila, este post é livre de spoilers

Gameplay

A demo não é muito longa. Ela abrange apenas o tutorial do gameplay e uma pitadinha da história sendo executada. Por isso, infelizmente não deu para sentir o gostinho de tudo nela. Bem, o principal, que são as lutas de Musou, sim, mas quanto à customização da citadela, os mini games, etc, isso não foi incluído. É um pouco triste, porque eu estava ansiosa para testar ao menos um minigame, mas tudo bem!

Batalhas

Para quem já está acostumado com Musous, não notei nada muito de diferente no gameplay. Contudo, é possível perceber a preocupação deles com jogadores novos no ramo. Você tem como ativar o modo “fácil”, ativar um “guia”, e você pode até escolher se quer mirar os oponentes por conta própria ou deixar que o jogo faça isso para você, escolhendo os inimigos mais próximos de ti para que a mira fique focada. Pessoalmente, não vou usar essas opções, já que eu já estou acostumada com esse tipo de jogo, mas é interessante para quem ainda está começando ou não está acostumado.

Eu testei vários personagens e não notei muita diferença de gameplay em geral. No máximo, senti que alguns eram mais rápidos que outros. Não sei se isso tem a ver com o tipo de espada ou com o personagem em si. Sinceramente, chuto que os atributos nesse jogo serão mais atrelados aos personagens e não ao tipo de espada que cada um é.

Agora, o que senti diferença realmente foram nas habilidades e o “Hissatsu” (uma espécie de “especial”, vamos colocar assim, que tem até uma animação exclusiva). Você consegue dar um golpe normal (o famoso botão que você vai apertar muito que, no caso do Switch, foi o Y), um golpe mais “forte”, e usar habilidades, apertando o botão R/ZR junto com um dos quatro botões ABXY (cada combinação é uma habilidade diferente e acredito que mais delas serão liberadas ao upar os personagens). Também tem os duelos com os inimigos, algo que está aqui nesse jogo também.

O mapa é bem parecido com o de Samurai Warriors, na minha opinião. Acho que a única diferença é que ele parece ser mais “limpo”. É bem visível, e o Konnosuke (uma espécie de raposa no jogo) te ajuda com os objetivos do mapa também, de qualquer forma. Os cenários estão muito bonitos também.

Performance

A minha maior preocupação além do gráfico em si era o FPS. No trailer láá atrás, aquele que apareceu na Direct, as movimentações dos personagens estavam extremamente lentas para um jogo de ação e isso tinha me preocupado. Não sabia se era por ser a versão de Switch ou não. Entretanto, isso foi resolvido e é muito perceptível na demo: não senti nenhuma lerdeza, lag e travada no jogo, mesmo com vários inimigos no mesmo mapa contigo. A única “lerdeza” é que alguns personagens são mais rápidos mesmo, mas isso é parte do atributo de cada um, imagino eu, e não é uma diferença muito grande também.

Outros pontos que valem destaque

Segundo a stream – já que a demo não chega nesse ponto –, você pode deixar os personagens na tela inicial da citadela e eles reagem ao vento do ambiente, barulhos, etc. Além disso, eles também conversam entre si. Achei isso bem legal e interessante!

A única coisa que fico triste é não ter a presença da(o) Saniwa (no Touken Ranbu original, você é/controla um Saniwa, a pessoa que irá comandar os rapazes contra os inimigos). Seria bem legal se pudéssemos fazer algo como no Samurai Warriors 4-II, onde é possível criar um personagem self-insert, customizá-lo e ainda ter chances de interagir com os personagens do jogo. Era um sistema bem bacana e, se não me engano, também era presente em alguns jogos do Dynasty Warriors a partir do 4 e no Empires.

História e Personagens

Já que a demo não é muito longa, é difícil opinar muito nesse quesito. O que foi mostrado na história até então é o que já sabemos pela sinopse oficial do jogo: Saniwa/Sage sumiu, Konnosuke está “liderando” os Touken Danshi (como são conhecidos os rapazes do jogo) e eles estão defendendo a citadela.

Entretanto, se prestarmos atenção no cast do jogo, quase todas as espadas (não tenho certeza sobre a espada nova, Omokage) têm ligação com a era Sengoku (o período extremamente famoso pela quantia enorme de guerras que ocorriam no Japão, antes de sua unificação). Levando isso em conta, acredito que os mapas e missões serão relacionadas a essa era em específico no jogo.

Por sinal, as figuras históricas não são as mesmas de Samurai Warriors. O Masamune Date que mostraram na última stream de Touken Ranbu não é o mesmo de Samurai Warriors. Bem, ao menos não parece ser o mesmo, a voz é diferente e o cabelo é bem mais longo e “ondulado”. Não sei se sou a única que estava esperando ver se ia ter alguma referência a Samurai Warriors, mas fica aí essa observação, cof mas tudo bem, pra isso servem as fanarts e fanfics.

Na esquerda é o Masamune Date que apareceu na stream de Touken Musou e na direita, o Masamune Date da série Samurai Warriors, da mesma equipe

Aliás, deve ser essa mesma razão que as DLCs não estão trazendo personagens novos, como muita gente estava querendo e esperando (eu inclusa, quero jogar com minhas espadinhas do Shinsengumi!!!). Caso esse jogo vire uma série – o que estou achando bem possível, considerando que as edições limitadas acabaram 1 hora depois do anúncio do jogo, tiveram que repor e ele já ficou na lista de jogos mais vendidos de 2021 na eShop japonesa, sem nem ter lançado ainda – possivelmente os próximos jogos se focarão em eras diferentes, cada uma dessas eras com suas espadas específicas. Por exemplo, a era Bakumatsu terá espadas como Yamatonokami Yasusada, Kashuu Kiyomitsu, Mutsunokami Yoshiyuki, Izuminokami Kanesada, entre outros.

Gráficos e Design

A primeira coisa que tenho a dizer sobre esse assunto é que os gráficos estão muito, muito mais bonitos do que nos foi mostrado no primeiro trailer, lá na Direct da Nintendo ano passado. Confesso que quando vi aquele vídeo, fiquei um pouco preocupada, porque a qualidade dos modelos 3D não estava tão a par quanto à qualidade dos de Samurai Warriors 5, por exemplo, que saiu mais recentemente provindo da mesma equipe.

Entretanto, isso já não é mais problema. Os gráficos estão lindos, principalmente nas cenas animadas. Como já mencionado, a própria Koei pediu para não postar screenshots do jogo, então eu estarei pegando imagens oficiais do site e das streams falando sobre o jogo. Os modelos estão bem bonitos e agradáveis, fiéis aos personagens. A movimentação dos modelos está muito bonita também, o que é algo a se considerar, já que as roupas do pessoal de Touken Ranbu são um tanto… detalhadas.

Modelos das Espadas

Outra coisa que acho muito importante comentar nos modelos como uma amante de espadas é o modelo das próprias armas. Afinal, os rapazes são encarnações de espadas lendárias do Japão, é algo importante, não é mesmo? Pois bem, eu não tenho nada a reclamar sobre esse ponto, muito pelo contrário. Estou satisfeita com a fidelidade que os modelos seguem!

Fonte das fotos e desenhos das espadas: https://www.tsuruginoya.net

Como podem ver, as espadas estão bem fieis! Até mesmo o hamon (o “desenho” que é formado na lâmina, também conhecido como “linha de têmpera”, formado no processo de endurecimento do aço). Ichigo Hitofuri (primeiro da imagem) e Heshikiri Hasebe (terceiro da imagem) possuem hamon “ondulado”, mas se vocês olharem nas fotos de referência, são ondulações bem diferentes. A do Ichigo Hitofuri são “ondas curtas”, enquanto a do Heshikiri Hasebe são ondas mais largas, e mesmo isso você consegue diferenciar e notar nos modelos 3D do jogo.

Outro ponto que se pode notar as semelhanças são no shinogi (linha da lâmina que separa a lâmina em si do shinogi-ji), shinogi-ji (parte entre as costas da lâmina e o shinogi) e no hi (suco da lâmina). A do Ichigo Hitofuri é mais complicada de notar nessa imagem oficial, mas na do Namazuo Toushiro (segundo da imagem) e Heshikiri Hasebe é mais perceptível. Perceba como ambas as partes marcadas estão bem fieis no modelo.

No shinogi-ji do Namazuo Toushiro você consegue encontrar uma curvatura meio “afundada” como na imagem a seguir, que seria – acredito eu – o hi dela, bem destacado. E isso também está no modelo do jogo! Já a da Heshikiri Hasebe não possui isso, mas você percebe que é um mune bem escuro, reto, seguindo a lâmina quase até o fim dela. A profundidade no shinogi-ji é bem detalhada também. É bem perceptível o contraste já na espada Heshikiri Hasebe original e isso é mostrado no modelo também. (Levem em conta que eu ainda sou uma iniciante sobre espadas, ok!)

Nomenclaturas de partes da espada. Fonte: https://www.nihonto.com/about-swords/diagrams-terminology/

Interface

Uma coisa que achei interessante é que as cenas animadas possuem legendas e furigana, mas os diálogos em si, que estão dentro de caixa de texto, não. Imagino que seja porque não é possível parar a animação, enquanto os diálogos normais você pode ir pesquisar caso tenha algum kanji muito diferente que você não conheça. E, claro, considerando a classificação etária do jogo, que é 12+, talvez tenha a ver com o nível escolar.

Uma escolha de design que gostei muito também foi a representação da barra de HP e do Hissatsu gauge (barra de poder especial) dos personagens. As barras são em formato de espada! É mais interessante ainda porque era comum samurais carregarem duas espadas (uma Uchigatana, a típica katana que conhecemos, e uma Wakizashi, uma katana menor, ou uma Tantou, uma espada de tamanho de uma “faca”).

Música

Akiko Shikata (cantora e compositora da abertura de Psychedelica of the Ashen Hawk) é uma artista incrível. Assim como no jogo original, ela também estará trabalhando na música de Touken Ranbu Warriors (inclusive, canta o coro da abertura, apresentada no terceiro trailer!). Haverá mais duas músicas cantadas por ela.

Não preciso dizer que as músicas desse jogo já estão encantadoras e combinam muito bem com a ambientação. A trilha sonora está bem no gênero folk, misturado com música tradicional japonesa, utilizando instrumentos típicos do Japão em algumas músicas também. Esse gênero combina com Touken Ranbu, pois, ao meu ver, ela transmite uma certa “nostalgia”, “natureza” e “fantasia”, fatores bem presentes na série, já que ela aborda viagem para o passado e elementos fantásticos.

Além disso, como foi dito anteriormente, folk também é bastante ligado à natureza, o que combina bem com o Japão e sua relação com a mesma, já que a própria ideologia do xintoísmo é essa forte ligação “espiritual” com a natureza. Considerando que as espadas são, basicamente, tsukumogami (criaturas que, em resumo, são objetos que criam vida, normalmente após 100 anos) e kami (eu sei que muita gente traduz kami como “deus”, mas não são bem deuses, kami são entidades vindas da natureza, de objetos ou espíritos de pessoas falecidas ao serem adoradas, bem cuidadas, agradecidas por muito tempo), ambas presenças vindas do xintoísmo, isso combina perfeitamente.

Conclusão

Caso não tenha sido possível notar pelo tamanho desse post, eu estou empolgadíssima e a demo foi muito divertida! Esse jogo é literalmente o meu sonho realizado para essa franquia. Eu não vejo a hora dele lançar! Inclusive, se eu pudesse, compraria tanto a versão japonesa quanto a inglesa, mas infelizmente, não vou ter dinheiro pra isso. (´;ω;`) Estou curiosa para ver a qualidade da tradução e como vão lidar com alguns termos, isto é, se vão seguir a versão oficial em inglês do jogo mobile, que não traduz alguns termos (“Citadela” não é traduzido, “Touken Danshi” também não).

Tirando o fato de não ter Saniwa, eu não tenho muito a reclamar. Na verdade, não ter Saniwa também não chega a ser um ponto negativo forte para mim, era mais um desejo que eu tinha vendo a customização de personagem já presente em outros jogos da Omega Force, a divisão da Koei Tecmo responsável pelo desenvolvimento do jogo. Porém, eu entendo que colocar a presença de um Saniwa seria complicado, já que há muitas brigas no fandom quanto a ter um “Saniwa canon” (e não, não apenas no fandom internacional, no japonês também brigam muito com isso).

Várias das preocupações que tive com o primeiro trailer na Direct do ano passado foram melhoradas também (principalmente o FPS). A única tristeza é que a demo durou pouco mais de 30 minutos, queria poder ter jogado mais! Mas tudo bem, a gente entende.

Por último, gostaria de lembrar que a versão japonesa vai sair para PC e Switch, no dia 17 de fevereiro de 2022, custando 8778 ienes (~R$ 403, sem taxas). A versão inglesa (Touken Ranbu Warriors) será lançada apenas para Nintendo Switch (até o presente momento) no dia 24 de maio de 2022. O preço dessa versão está sendo listado por 59,99 dólares em várias lojas (~R$ 317, sem taxas).

Jiji aprova o modo fácil. Velhinhos como ele ainda não entendem muito bem esse mundo dos games.

Fontes: Stream do dia 02/02/2022, Twitter oficial, Site oficial em japonês.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s